ato de brincar é fundamental para o desenvolvimento integral das crianças. Por meio das atividades lúdicas, elas experimentam o mundo, organizam as emoções, elaboram sua autonomia, constroem suas relações sociais e as próprias identidades — daí, a importância do brincar.

As brincadeiras constituem um elemento tão significativo no período da infância que são chamadas de “a linguagem da criança”. Dito de outro modo, elas não só auxiliam na aquisição de inúmeras habilidades, como, também, informam sobre os sentimentos e as necessidades que, muitas vezes, os pequenos ainda não sabem ou não conseguem expressar.

A seguir, saiba mais sobre a importância do brincar para as crianças. Além disso, confira dicas de como os pais podem promover brincadeiras educativas e divertidas para estimular o desenvolvimento dos filhos. Vamos lá?

Qual é a importância do brincar para as crianças?

As atividades lúdicas têm uma importância muito maior e mais profunda do que um mero momento recreativo ou uma maneira de passar o tempo. Elas impactam de forma direta no desenvolvimento infantil, em todos os seus aspectos.

Os pequenos, quando estão brincando, aprendem sobre o mundo à sua volta e sobre eles mesmos. Isso significa que estão adquirindo competências físicas, cognitivas e socioemocionais.

Entre os inúmeros benefícios proporcionados às crianças, o ato de brincar promove a autonomia, a criatividade, a autorregulação, a comunicação, a concentração, o raciocínio, a evolução motora e a construção de relações saudáveis.

O que é o brincar?

O ato de brincar está relacionado com as atividades que têm por intenção traduzir os elementos imaginativos para o mundo concreto e vice-versa. Em outras palavras, quando uma criança brinca, ela é capaz de conduzir suas ações segundo seus próprios interesses e necessidades, respeitando critérios de tempo, limites, regras e organização.

As brincadeiras são compreendidas enquanto a linguagem infantil por excelência, uma vez que é por meio delas que os pequenos entram em contato com o mundo, dão significados às próprias experiências, regulam suas emoções e seus comportamentos, verbalizam suas demandas e constroem suas personalidades.

Vale enfatizar que as atividades lúdicas não se referem àquelas de exposição a telas (computador, celular, tablet etc.) e nada têm a ver com os intuitos de uma competição. Brincar é uma exploração autêntica, voluntária e despretensiosa, ou seja, desprovida de julgamentos.

Como os pais podem participar das brincadeiras?

Brincar com os filhos é algo que faz bem para todos da família. Além das habilidades adquiridas, o momento lúdico compartilhado fortalece os laços afetivos.

Assim, cabe aos pais tanto oferecer a oportunidade da criança brincar sozinha, livremente, de modo não dirigido, como também propor brincadeiras conjuntas, pautadas no improviso, na simplicidade e, sobretudo, na pura criatividade (afinal, tudo pode ser transformado em brincadeira).

Lembre-se de que, por meio do brincar, os pequenos encontram um modo de expressar seus sentimentos e suas carências. É fundamental assumir uma postura de acolhimento, respeito, diálogo e compreensão. Tato, interação social e espontaneidade também devem ser estimulados.

É igualmente importante informar sobre a necessidade de moderar o uso de equipamentos tecnológicos, pois eles limitam a exploração de mundo da criança. Além disso, a exposição exacerbada a telas pode causar transtornos à saúde física, cognitiva e emocional, sobretudo na primeira infância.

Quanto mais a criança brinca, mais ela se desenvolve. As brincadeiras não podem ter o seu valor reduzido à qualidade de um passatempo ou encaradas como atos insignificantes. Elas são a principal fonte de aprendizado dos pequenos no que diz respeito a tudo que os rodeia e a eles mesmos.

Fonte: https://escoladainteligencia.com.br/blog/importancia-do-brincar/